Posts com a tag "viagem"

Ilustrações de viagem: Paris e Oscar Wilde

Publicado por em 19/09/2012 | Um comentário

They Draw and Travel Shakespeare & Co.

O They Draw and Travel é um site pra deixar as pessoas mais felizes, cheio de ilustrações lindas dos lugares do mundo. Artistas de todo o mundo se inspiram e criam mapas com locais que consideram especiais dentro de cada cidade. Então Dulche viu por lá esses dois mapas que têm tudo de #menos1naestante, e ambos são de <3 Paris <3. Sei que é um pouco clichê dizer isso, mas Paris tem esse feitiço lançado em quem a conhece: não pode ver nada de lá, que fica morrendo de saudades da cidade. O primeiro é um "They Draw and Travel" da brasileira Mariana Cristal Hui, que gira em torno da Shakespeare & Co., uma livraria símbolo da cidade sobre a qual já falei muito por aqui.

They Draw and Travel Oscar Wilde

O outro mapa é a ilustração da Paris de Oscar Wilde, destacando pontos que têm conexão com o escritor, como o Café de La Paix, que ele frequentava, e o L’Hôtel d’Alsace, que serviu de moradia para o autor. Esse aí é da polonesa Joanna Gniady. Dá pra resistir?

Gostou do post? Então siga o #menos1naestante no Twitter e curta no Facebook. Não se esqueça de votar no TOP BLOG 2012 ;)

Tags deste post: , , , , , , ,

5 coisas para quem não foi pra Flip fazer

Publicado por em 8/07/2012 | Deixe um comentário

Confesso que estou um pouco ~chatiada~ porque não estou na Feira Literária Internacional de Paraty (Flip 2012). Todo ano é a mesma coisa. Eu prometo que vou me organizar pra ir, mas tudo passa tão rápido e, quando percebo, perdi. Nova promessa para 2013 feita, mas também não quero deixar de participar agora, de alguma forma. Se você também vê as notícias e acha um saco não estar lá, encontrou amparo. Afinal, curtir frustração junto é melhor. Daí bolei essa lista: 5 coisas para quem não foi pra Flip fazer. O que você acrescentaria? Conte nos comentários.

1. Escolher um autor participante da feira pra ler no gráfico lindo que o G1 fez.

Infográfico Flip 2012 G1

2. Acompanhar a hashtag oficial #flip2012 no Twitter.

3. Comprar o DVD Coleção Flip 10 Anos — Uma palavra depois da outra, a arte da escrita e levar uma surra de literatura, afinal reúne o que 117 autores falaram no evento em todos esses anos.

4. Acessar o PDF do site da Flip e começar a se preparar para ir em 2013.

5. Contar qual é o escritor que você mais queria ver na enquete do fb/menosumnaestante.

E lembre-se: tamo junto.

Tags deste post: , , , , , ,

São Paulo: livros em bares e locais subterrâneos

Publicado por em 19/06/2012 | 5 comentários

Entrada do Passagem Literária

Passei uns dias em São Paulo há algumas semanas e acabei conhecendo dois lugares livrescos bem legais. O primeiro foi o sebo Passagem Literária, peculiar pois fica na passarela subterrânea da estação Consolação, para quem precisa cruzar a avenida. No caminho, tem um sebo. Ainda assim, nesse ponto estratégico, a impressão é de que pouca gente o conhece. Na objetividade paulistana, poucos param e menos ainda compram.

Talvez por isso o dono do sebo, um senhor barbudo, tenha se mostrado um pouco hostil quando cheguei com uma amiga fotografando e mexendo nos livros (ok, deve ser bem complicado manter o controle sobre todas aquelas pilhas em meio a tanta gente passando). Passei algumas horinhas fuçando, pegando, folheando, abrindo, fechando, recolocando no lugar, amolegando. Gostei de muita coisa, títulos em bom estado, mas achei os preços salgadíssimos. Preços de novos por aqui, ou pior.

Até que cheguei a uma capa linda, e era um Nabokov: Fogo Pálido, por R$ 15. Nunca tinha ouvido falar na obra, mas o autor e a capa definiram a compra. Para completar o combo, perguntei pelo Lolita e tinha, por R$ 18 que viraram R$ 15 nas mãos do senhor barbudo, agora sem réstias de hostilidade. Inclusive ele começou a me babar tanto, que até deu lencinhos umedecidos pra eu limpar as mãos da fuligem-de-avenida-paulista-com-metrô, que abraça os livros e não tem limpeza que dê jeito. Mas fiquei me perguntando: será que foi só porque eu ia comprar ou porque ele ama Nabokov?

Pelo que ele me explicou, o sebo abriu há uns seis anos, mas acabou passando quase cinco fechados por falta de incentivo. Reabriu há pouco. Nas paredes, sempre há exposições de artes plásticas e afins, e isso é um compromisso assumido pelo Passagem Literária. O legal é que depois que Diogo viu minhas aquisições, disse que Fogo Pálido era um dos melhores livros da vida dele e eu tive certeza de que fiz um bom negócio.

Mercearia São Pedro: com Paulinho

O outro lugar foi o Mercearia São Pedro, um bar agradável na Vila Madalena. Em boa parte do espaço, normal, com mesas e cadeiras, pessoas descoladas e um toque olindense. Na outra área, tem a mercearia e no meio dela, um monte de estantes com livros novíssimos prontos para serem comprados. O engraçado é que os títulos também são caros, apesar do lugar e da apresentação malajambrada. Só pode ser um raciocínio turístico.

Não importa tanto porque com eles à disposição, o Mercearia São Pedro ganha um charme todo especial, complementado com pasteis saindo na hora, cerveja gelada e boa música. Na minha opinião, os livros deviam ter mais espaços assim, bem perto de cerveja, petiscos, música e gente.

Agradecimentos especiais a Keila, Marta e Paulinho, por me apresentarem a esses lugares e/ou pousarem lindos nas minhas fotos. Sem eles, esse post não existiria.
Sebo Passagem Literária
Rua da Consolação, esquina com a Avenida Paulista.
De segunda a sexta, das 7h às 22h, sábados, domingos e feriados, das 10h às 22h.

Mercearia São Pedro
Rua Rodésia, 34 – Pinheiros – São Paulo, 05435-020
11 3815-7200

Tags deste post: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Invasão dos livros no Museu do Louvre

Publicado por em 11/06/2012 | Um comentário

Exposição Livre/Louvre em Paris.

Por Dulce Reis

Quando fui ao Museu do Louvre, no dia 25 de maio, lembrei imediatamente de Márcia e do Menos um na estante. A exposição temporária Livre/Louvre [no português, seria Livro/Louvre] tem tudo a ver com a dona do blog. Livros, livros e mais livros. A mostra criada pelo escritor belga Jean-Philippe Toussaint realmente chamava a atenção de quem passeava pelo museu. Entre uma sala e outra da ala da pintura francesa, os visitantes tomavam um susto com os vídeos, neons e tablets.

Até vi gente tirando onda. “Essa pintura capta muito bem a realidade”, disse um rapaz em tom de ironia a uma moça que o acompanhava sobre uma fotografia que toma quase uma parede inteira. Na imagem, uma sala do Louvre cheia de livros e com algumas pessoas lendo. Acho que esses dois não estavam gostando da ideia da exposição Livre/Louvre estar perto demais das obras de Delacroix, Ingres, Goya, Renoir…

Mas até para estas pessoas, a mostra tinha algo a apresentar. Em uma das paredes, foram reunidas imagens de livros fotografadas de várias outras obras de arte.

Livros em obras de arte. Exposição Livre/Louvre em Paris.

Exposição Livre/Louvre em Paris

Numa outra salinha da exposição está o resultado do projeto Ils Lisent. Toussaint reuniu sete amigos e os colocou para ler dentro de uma cabine. Eles usaram um capacete acoplado a um aparelho (não sei se é de tomografia…) e os filmou enquanto liam. O resultado está exposto. Tanto as imagens das “cobaias”, quanto dos seus cérebros e a cabine.

Exposição em Paris.

Outra parte da exposição que gostei foi L’Univer, em que uma sala, quase um corredor, tem o teto todo estrelado e as paredes cheias de neons. Entre uma piscada e outra, dá para ver a palavra livro em várias línguas.

Bom, o resto, vocês podem ver nas fotos. A mostra já vai sair de cartaz no próximo dia 11 de junho. [hoje]

Todas as fotos são de Dulce.


Depois de colaborar tanto com os melhores links para o blog – vocês não têm noção, eu que não consigo transformar tudo em post -, Dulche apareceu por aqui de “carne e osso”, deixando o Menos um com muito mais glamour. Imagina, a pessoa estar em Paris e lembrar do bloguinho, com foto e tudo? Também fiquei feliz que só com a contribuição.

Tags deste post: , , , , , , , , , ,

O Google Maps da literatura e da compra de livros

Publicado por em 16/05/2012 | 4 comentários

Mapa de livros e lugares

Quase todo livro tem um canto no mundo. Um país, uma cidade, uma região. E os livros sempre contam muito dos lugares. O negócio é que eu sou muito mal localizada, ruim de gravar referências e pouco senso de direção, é fato. Talvez por isso, nunca tenha me concentrado muito nas informações que as obras exibem dos lugares onde suas histórias acontecem. Até a última viagem que fiz: em Paris tudo o que eu queria era ler algum livro que acontecesse na cidade. Encontrei altos títulos pega-turistas – sinal de que todos os leitores tinham a mesma brilhante ideia que eu. Mas tudo se perdoa em Paris.

Foi uma época que coincidiu com a leitura do Travessuras da Menina Má, de Vargas Llosa, onde os lugares são personagens vivos de tanta importância que têm. Peru, França, Japão, a trama passeia e é como se a gente viajasse junto. Desde então, passei a ficar bem mais atenta ao lugar da literatura. E tenho achado uma delícia. Se eu nunca visitei, fico com vontade de ir explorar o lugar onde “aconteceram” os fatos, e se eu conheço, posso comparar com a minha experiência.

Mapa de livros e leitura 2

É aí que entra o Google, porque o Google sempre entra nas coisas. Imagina que você vai viajar no segundo semestre, que tal curtir desde já com algum livro? Dentro do Google Maps, foi criado um Mapa de livros e lugares, uma ferramenta colaborativa onde estão sendo marcados os espaços da literatura. Estão lá registradas obras que se passam no mundo todo, e você pode contribuir também. No Brasil, por exemplo, há vários marcados, como Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa.

Como estamos falando de geolocalizar a literatura, outra coisa interessante é o serviço The Book Depository Live, da maior loja online de venda de livros da Inglaterra, a Book Depository, pertencente à Amazon. Por meio de um mapa atualizado em tempo real, a ferramenta informa que livro acabou de ser comprado e de onde é o leitor. Se deixar, você fica na frente do mapa vendo que “someone in Australia bought Are you ready to play outside?” ou que “someone in Chile bought The Hunger Games” por um bom tempo. Aguça a imaginação.

The Book Depository Live

A ferramenta mostra que as pessoas podem até não estar lendo tanto, mas comprando livros elas estão, e muito.

Imagem de Will Lion

Dica de Catarina. Imagem de Will Lion.

Tags deste post: , , , , , , , ,

Em movimento

Publicado por em 8/05/2012 | 2 comentários

Lendo no trem

Só de olhar me enjoa, mas é lindo, fazer o quê? Gif animado do Breathing Books.

Tags deste post: , ,

Bibliotecas do mundo #1 – Kansas

Publicado por em 23/04/2012 | Um comentário

Kansas City Public Library 01

Kansas City Public Library 02

Os livros gigantes das fotos acima são simplesmente a fachada da Kansas City Public Library, que fica no estado do Missouri, nos Estados Unidos. Incrível, não? É a biblioteca central do lugar. Assim que eu vi a foto dela na fan page do Livros e Afins, a inseri na lista dos meu top lugares obrigatórios para visitar.

Ao longo da parede do lugar, estão emoldurados 22 títulos simbolizando a variedade dos interesses de leitura. Não à toa, o prédio é constantemente citado entre os mais originais do mundo. E vejam que dentro também é um espetáculo.

Kansas City Public Library 03

Kansas City Public Library 05

Digam se vocês também ficaram mal.

Vejam outros recantos literários pelo mundo.

Fotos de Chris Murphy e de Michael Sauers

Tags deste post: , , , , , , ,

Uma desculpa para viajar (ou as livrarias mais bonitas do mundo)

Publicado por em 6/02/2012 | Deixe um comentário

Livraria El Ateneo, de 1920, em Bueno Aires, Argentina.

Livraria El Ateneo, de 1920, em Bueno Aires, Argentina.

A maior livraria ao ar livre do mundo: Bart’s Books, Ojai, California.

A maior livraria ao ar livre do mundo: Bart’s Books, Ojai, California.

Bookworm é uma livraria de língua inglesa em Beijing, China

Bookworm é uma livraria de língua inglesa em Beijing, China

Verde + livros + café: Cafebreria El Pendulo, Cidade do México, no México.

Verde + livros + café: Cafebreria El Pendulo, Cidade do México, no México.

Um ambiente convidativo para entrar, ficar e abrir um livro é o que uma livraria pode ter de mais digno. Além do básico preços acessíveis e bons títulos, claro. Se esse lugar tem ainda um clima de “deixe a imaginação viajar” quando você começa a ler algumas páginas, torna-se irresistível. Coloque um bom café junto e temos a visão de um paraíso, onde comprar livros é a mais pura consequência.

O Flavorwire fez uma lista de 20 lugares (que parecem) assim no mundo, as mais bonitas livrarias. Peguei quatro fotos das que eu achei especiais entre as especiais, mas vale muito a pena dar uma olhada nas outras 16. De todas, só conheço uma, a Shakespeare & Co, em Paris. Deveria existir um super pacote de viagem com direito a tour por todas essas 20 belezinhas, não acham?

>> ATUALIZAÇÃO 15.12.2015 – Para felicidade geral da nação, também conheci a livraria El Ateneo, em Buenos Aires. E é realmente incrível. Tá aqui a foto no Instagram que não me deixa mentir.

Dica de Tarrask.

Tags deste post: , , , , , , , , , ,
Página 2 de 3123