Posts com a tag "ficção científica"

[Resenha] “O Hálito da Morte” em que Isaac Asimov é 1% recalque

Publicado por em 24/02/2016 | 2 comentários

O Hálito da Morte, Isaac Asimov

O Hálito da Morte, Isaac Asimov

Perfeição é algo que não existe. Grandes obras aparecem depois que os escritores publicaram muitas besteiras, lançaram alguns fracassos. Ou amadureceram a duras custas. Sempre tem aquele livro OK entre os incríveis. Você já topou com um livro mais ou menos de um autor muito bom?

O Hálito da Morte é o primeiro livro do Isaac Asimov que eu leio, e acredito que caí justamente naquele 1% recalque, bem diferente dos 99% genialidade do autor da trilogia Fundação, que ainda espero conhecer. Vou explicar o porquê.

A primeira frase do livro é impactante: “A morte passeia pelo laboratório de química. Milhares de pessoas passam por perto dela e não se importam”. A história é narrada do ponto de vista de Louis Brade, um professor de química de 42 anos de uma grande universidade dos Estados Unidos. O mesmo que teve a infelicidade de encontrar um aluno seu morto no laboratório de química: Ralph Neufeld.

As evidências mostram que o defunto cometeu um erro tosco misturando substâncias. Só que as percepções de especialista na matéria – que eu sempre odiei – fazem o professor desconfiar do ocorrido e procurar descobrir o que realmente aconteceu.

Ilustração de Isaac Asimov

Ilustração de Isaac Asimov

Até aí, uma normal história de suspense e investigação. O aspecto particular desse livro são os temperos que permeiam a trama: não temos aqui um investigador exótico, uma motivação passional como uma mulher amada ou filho mortos, nem um senso de justiça heroico, ou um acontecimento histórico que resignifique o crime.

Leia mais

Tags deste post: , , , ,

Bradbury e o que não pode acontecer

Publicado por em 9/06/2012 | Deixe um comentário

Ray Bradbury por Alan Light

Por Diogo Monteiro

Ninguém me dava medo (ou aquele estranhamento, aquele incômodo, que precede o medo em milésimos de segundo) de uma maneira tão honesta quanto Ray Bradbury. Seu sistema era simples. Ele estabelecia a mais confortável e familiar das situações e depois começava a despetalar a sua normalidade, camada por camada, até que o mundo ficasse de cabeça para baixo, pendurado sobre o abismo. Aquele abismo que eu não canso nem nunca vou cansar de revisitar.

Seu cenário ideal era o subúrbio. O subúrbio americano de propaganda de waffles dos anos 50, aquela comunidade pacata, perfeitinha, sem cercas, de gramados verdes, onde todos se conhecem, onde o ser humano (ou o americano de classe média) estava salvaguardado de todas as ameaças do frenético e caótico mundo lá fora. Uma velha senhora viúva assolada pelo som de pequenos passos no sótão, que podem ou não ser de ratos; uma solteirona voltando para casa de uma sessão noturna de cinema, flertando com a possibilidade de estar sendo seguida por um assassino que não se vê; crianças que brincam no quintal, preparando uma invasão alienígena.

Eu aprendi a gostar dele guiado pela mão do medo. Mas era mais que isso. Bradbury ficou conhecido como um dos grandes popularizadores da Ficção Científica. O que é irônico, porque ele mesmo chegou a afirmar que escrevia fantasia e que criara apenas um livro de FC na vida: Fahrenheit 451. “Fantasias são coisas que não podem acontecer. A ficção científica é sobre coisas que podem”, costumava dizer.

Capas Farenheit 451 e As Crônicas de Marte.

Fahrenheit 451 ficou conhecido como um livro sobre o totalitarismo, a censura e a ameaça ao livre pensamento, com sua história sobre uma sociedade onde os bombeiros deixaram de apagar incêndios para trabalhar como incineradores de livros. O que é irônico, porque, na verdade, Bradbury estava mais interessado em fazer uma alegoria de como a televisão e outras mídias destruíam o hábito da leitura. Ingênuo, talvez, mas não tão apartado assim da realidade.

As Crônicas Marcianas não eram ficção científica. Eram somente um jeito de dar vazão a uma fantasia que não cabia situada na Terra. Bradbury levou seu subúrbio para Marte e lá continuou desmontando-o.

Mas, para além da fantasia, da ficção científica ou de uma pitada descuidada de engajamento político, Ray Bradbury sabia de mais uma coisa ou outra. Sabia que há na fantasia uma dose de poesia, e uma a mais de melancolia. Melancolia, porque quem escreve ou lê sobre “o que não pode acontecer” sabe e se recente das fronteiras desse mundo. Sabe que o homem é melhor e maior do que a sua realidade, e dela prisioneiro. Sabe que a poesia, o alumbramento e o medo que a gente carrega não cabem nesta Terra, e dela transbordam.

Bradbury era isso. Era a fantasia transbordando do copo raso do mundo.

@@@@@@@@

Vocês não sabem o quanto fico feliz de ter um texto de Diogo aqui, o Menos um na estante sobe aí uns degraus. Só porque Diogo é um dos caras mais inteligentes que eu conheço e dos que mais entende de literatura, pessoa da melhor qualidade, amigo e casado com uma grande amiga. Sem esquecer que será um grande escritor, assim que se deixar ser lido (dá pra sentir o clima aqui no NotaPE). Fazia tempo que eu enchia o saco por uma contribuição dele no humilde bloguinho, e de repente ele se ofereceu pra escrever esse texto lindo, no triste 5 de junho da morte de Bradbury, que tinha 91 anos.

Foto de Ray Bradbury autografada pelo próprio, de Alan Light, em 1975.

Tags deste post: , , , , , , , ,

O impacto da internet previsto por Isaac Asimov

Publicado por em 20/03/2012 | 3 comentários

Cada vez que alguém dá um play nessa entrevista concedida em 1988, Isaac Asimov continua fazendo o que sempre fez muito bem: dar um tapa na cara da sociedade. Mesmo dez anos depois de ter morrido. Para ninguém dizer que não avisei, acima estão 8 minutos obrigatórios para quem é ligado a qualquer coisa que envolva internet, comunicação ou educação, ou tudo isso junto.

É impressionante como em alguns comentários o escritor de ficção científica dá uma boa ideia de como a internet irá impactar a vida das pessoas, muitos anos depois, prevendo coisas como as redes sociais e a Wikipédia. E principalmente a educação. Asimov critica o modelo padrão que torna o aprendizado mais imposição do que prazer. A internet se torna um campo aberto de possibilidades para se aprender o que quiser, pesquisando no próprio ritmo, da própria casa. Tornando a escola importante, porém com o papel diferente de ser lugar de encontro e discussão.

Issac Asimov

Um dos entraves do modelo educacional que ainda não conseguimos substituir, genialmente colocado por ele, é essa cultura de que aprender é algo limitado à infância, quando deve ser algo constante e sem fim.

Via.

Tags deste post: , , , , , , ,

Para os livros de ficção científica

Publicado por em 25/08/2011 | Deixe um comentário

NERD Text Bookends

Sabe aqueles títulos super nonsense de ficção científica? Deveriam ter um lugar especial assim na estante. Deveriam ter um lugar especial na estante. Dulce viu o GeekSugar e lembrou de mim.

Tem outros porta-livros aqui.

Tags deste post: , ,

Quando uma ficção científica nazista não é bem uma ficção

Publicado por em 24/04/2010 | 2 comentários

A tarefa de casa da pós-graduação era escrever uma resenha sobre um produto cultural de um estrangeiro que abordasse o Brasil, a fim de avaliar a relação entre cultura global e cultura local. Decidi logo que seria um livro, pelo projeto #menosumnaestante. E depois de uma consulta aos universitários e algumas opções em mãos, escolhi Os Meninos do Brasil, do norte-americano Ira Levin.

Até quase a metade das páginas, eu pensei que o máximo que ele renderia, além do trabalho, seria um post sobre como é ruim se descobrir lendo um livro ruim. Afinal, eu saí de um Gonçalo M. Tavares. Mas no meio do caminho, a história me capturou e vi que não poderia ser tão injusta. Os Meninos do Brasil não é boa literatura: para vocês terem ideia, costumo anotar num caderninho trechos marcantes das obras, e dessa eu não anotei uma linha. Mas é uma história de ficção científica bem escrita.

No Brasil da década de 70, um médico nazista reúne um grupo de ex-oficiais de Hitler para cumprirem a missão de matar 94 homens de 65 anos em vários países da Europa. É a primeira fase de um plano para instaurar o IV Reich. Pistas dele chegamao judeu “caçador de nazistas” Liebermann, que é o Sherlock Holmes da história. Se não quer saber o final do livro, pare por aqui.

Leia mais

Tags deste post: , , ,