Posts com a tag "alex luna"

31 de outubro: o poder dos sons para causar sensações

Publicado por em 30/10/2012 | Deixe um comentário

Tem post de convidado no blog pra dar uma dica linda para o Halloween. Apreciem sem moderação. Obrigada, Alex!

Click-Clack

Alex Luna*

Tem gente que lê em silêncio, até quando lê poesia. Longe de mim dizer que há um jeito certo de ler, mas há alguns autores que ganham muito quando lidos em voz alta. Quem tem um livro do Jessier Quirino que o diga.

Aqui você pode baixar um audiolivro com um conto do Neil Gaiman completamente grátis. A história, Click-Clack the Rattlebag, é, a partir do título, algo inerentemente sonoro. O nome do protagonista é formado por duas onomatopeias, nem precisamos traduzir. É um conto de terror, feito especialmente pra celebrar o Halloween.

Neil criou um movimento há dois anos, sugerindo que as pessoas dêem livros de terror para celebrar o 31 de outubro, e a audible.com, para promocionar os audiolivros, resolveu abrir o download grátis para a história, e doando um dólar para cada pessoa que baixar.

Então, vá lá, baixe o seu mp3 grátis, e espalhe pros seus amigos. É por uma boa causa.

E, por último, o autor pediu que você ouça a história somente depois do pôr-do-sol.

*Alex Luna é leitor de histórias de terror e escritor de contos românticos. Seus textos podem ser encontrados no Qualquer Coisa de Triste e nas Inverdades.

Tags deste post: , , , , , ,

Ganhadores de uma boa dose de Inverdades

Publicado por em 30/06/2012 | 9 comentários

Hora de dar o resultado do sorteio dos e-books do Inverdades: pequenas manifestações divinas em folhas de chá, marcas de sangue e manchas de batom. Foi difícil esse sorteio, viu? Primeiro precisei adiar muito o prazo porque tive problemas para usar o Sorteie.me, e ainda assim não funcionou, precisei adotar um sistema mecânico.

Só que ao divulgar o resultado, vi que tinham ficado de fora duas pessoas que participaram. Peço desculpas e a compreensão dos ganhadores que anunciei, mas preciso agir corretamente (não se preocupem que teremos outro sorteio bem legal em breve). Como poucas pessoas participaram, listei todas em ordem numérica:

Depois usei o Random.org direto para pegar três números aleatórios que iriam remeter aos três sortudos. Abaixo, os resultados:

    

Então, Parabéns @BrunaC_Oficial, @FilipeLion e @adelmovas! Preciso do e-mail de vocês para encaminhar para o Alex Luna enviar a cópia do livro por e-mail. Deixem aí nos comentários, mandem por e-mail (contato@menosumnaestante.com), por DM ou por mensagem na página.

Tags deste post: , , , , ,

Para se abraçar com Inverdades

Publicado por em 26/06/2012 | Deixe um comentário

Inverdades no iPad

Quando eu vi, tinha topado fazer a revisão. Fazia tempo que a gente conversava sobre escrever, ele falava sobre o novo projeto, eu tinha curiosidade. Tinha acabado de ler o primeiro título de Alex Luna, Elas e Outras Histórias, e achado legal. Um jeito muito peculiar de contar o amor e suas mulheres, as agruras e as delícias dos relacionamentos, todo tipo de referências. Mas eu sabia que tinha muito mais coelho pra sair desse mato. Então eu comecei a revisão do livro que quase se chamava Mentirinhas.

Bom, eu nunca revisei um livro. Tirei da minha gaveta a experiência de editar matérias do tempo de jornal e o que tinha aprendido sobre o que é e como se faz uma boa literatura. Com isso, tentei fazer algo útil. Quando mandei as primeiras revisões e Alex adorou, eu me empolguei pra ir em frente e me senti à vontade para dar ideias. Tarrask, como é mais conhecido, diz que fez muita diferença. Eu só acho que ajudei a dar um polimento no que já era bem bom.

Saiu o Inverdades: pequenas manifestações divinas em folhas de chá, marcas de sangue e manchas de batom. Um aposto auto-explicativo, uma edição digital com capa e ilustrações lindas da Cristina Santos. Faz um tempo que o e-book foi lançado, nem eu entendo como demorei tanto a contar por aqui. Acho que é a dificuldade de falar quando o envolvimento é grande (acabei de lembrar que nunca esmiucei a minha monografia sobre literatura fantástica por aqui).

Trecho de Eurídice

São 16 contos com temáticas diferentes, abertos por um prólogo genial, costurados pela escrita de Alex e pelas referências a músicas e à mitologia grega. Pouco pude aproveitar desta última, por conta dos meus conhecimentos limitados. Mas achei interessante me debruçar sobre os trechos de canções, muitas que marcaram infância e adolescência, por causa dos significados diferentes que ganham ao final do conto.

Os textos são quase sempre interessantes, mas há momentos especiais pra mim. A obssessão de Abraão repudia Agar, o desfecho nelson rodrigueano de São Jerônimo Penitente,  as atitudes redentoras de A história de Jonas, só para citar alguns. Fica difícil dizer o quanto a literatura de Alex amadureceu, só consigo pensar que o Inverdades dá à luz um escritor. Conheçam e me digam depois se concordam.

O Inverdades está disponível na Amazon por U$S 2,99.

PROMOÇÃO

Vejam que legal, Alex cedeu três cópias para eu sortear entre os leitores do Menos um na estante. Para participar, siga @menos1naestante no Twitter, e depois tuíte a seguinte frase (com o link).

 

Quero ler o novo Inverdades, do @tarrask, vou ganhar o e-book do @menos1naestante —> http://kingo.to/17WA

 

O prazo era hoje, quinta-feira, mas o Sorteie.me entrou em manutenção e prometeu voltar às 17h. Então as participações serão até sexta-feira, meio-dia, quando vai ocorrer o sorteio. Participem!

Tags deste post: , , , , , , , ,

O Inverdades e o videocast de literatura

Publicado por em 8/05/2012 | 4 comentários

Luara do Isaac Sabe!

Então eu estava em dúvida sobre qual dos trocentos temas que tenho na manga eu escolheria para o próximo post (sim, assunto não falta, o que escapa é o tempo, mas não me lamentarei), quando Tarrask me mostrou o último videocast do Isaac Sabe! A Luara, que conheço só de trocar ideias entre blogs de livros na internet, falou sobre o Inverdades, o segundo e último livro do Alex Luna (lá pelos 11 minutos e meio).

Tive o prazer e a ótima experiência de ler e revisar o Inverdades, a pedido do autor e amigo. E desde então há uma resenha por escrever aqui no blog. Não sei o que acontece, tenho algumas travas para falar sobre os livros que acabei de ler, como se precisasse de um tempo de ruminação. Posso dizer que o farei o quanto antes, e enquanto isso não acontece o meu conselho é que comprem o livro porque vale a pena. E vão lendo para que possam discordar ou concordar quando eu disser o que achei ;)

Mas voltando ao vídeo, eu sabia que o Isaac Sabe! tinha iniciado o programa no YouTube, mas só hoje assisti. A surpresa foi muito grata. Primeiro porque a Luara é desenroladíssima na frente da câmera, tem uma voz boa, ritmo, uma ironia bem divertida e a edição é legal. Ou seja, cansativo é adjetivo que passa longe dos 15 minutos de programa. Segundo que as observações sobre os livros são muito interessantes, ela indica só o fino da bossa como Asimov, Lobo Antunes, ou o Laranja Mecânica. E só pra completar, a Luara ainda é uma fofa. O videocast tem mais uma fã.

Quando eu crescer, quero fazer um programa legal assim. Sério.

Tem outros videocasts (ou podcasts) de literatura que vocês recomendam?

Tags deste post: , , , , , ,

#minhaestante – por Alex Luna

Publicado por em 23/05/2011 | 5 comentários

Quando Mari me chamou pra participar de uma seção do blog dela, o de bubuia na bubuia, chamada “minha estante”, eu adorei. Era uma ideia que eu queria ter tido para o Menos um. Então ela propôs que fizéssemos juntas, convidando as pessoas e linkando os depoimentos de um blog para o outro. Só que eu nunca tinha convidado ninguém.

Até que o Alex Luna, mais conhecido como Tarrask, que é publicitário e tem ideias bem legais (vide o blog The Worst Kind of Thief – adoro esse nome!), estava contando no Twitter como a biblioteca dele estava se tornando virtual. Isso me despertou vontade de convidá-lo pra inaugurar a seção aqui e ele topou na hora. Mandou um texto que vale cada parágrafo, uma defesa pragmática dos e-books, observações sobre o futuro presente dos livros em papel. O Menos um na estante agradece :)

—–

Os prazeres do cigarro eletrônico

Livros lidos entre 1998 e 2004, aproximadamente

Livros lidos entre 1998 e 2004, aproximadamente

Meu nome é Alexandre e eu sou viciado em ler. Desde muito pequeno, sempre tive muitos livros em casa. Na pré-adolescência, meu pai me levava a sebos, onde eu despejava dezenas de livros lidos e trazia outras dezenas novas para casa. Há uns dez anos, comecei a anotar a quantidade de livros não-profissionais que eu leio. No meu ano mais profílico, passei dos 80.

Ontem, eu tive que fazer um largo trajeto de trem. Uma hora de ida, outra de volta. Situação perfeita para pegar um livro novo e começar a leitura no caminho. Se tivesse menos de 200 páginas, eu provavelmente acabá-lo-ia.

Aí eu descobri que não tinha absolutamente nenhum livro de papel não lido em casa, pela primeira vez desde que consegui ler uma placa que dizia Mimo do Céu, numa feira-livre. Um frio me correu pela espinha. Será que eu já tinha lido tudo? Será que os clássicos acabaram e agora eu só teria que repetir? Será que eu passaria ao outro vício, uma droga pior ainda?

Não era isso. Foi o resultado de um ano praticamente sem comprar nenhum livro de papel.

Vamos queimar a Biblioteca de Alexandria com Umberto Eco dentro

Durante 2010, descobri três grandes vantagens de ser leitor compulsivo e ter um leitor de livros eletrônicos.

# Vantagem 1: grana

Quando comprei um iPad, justifiquei a compra com o argumento profissional, estar atualizado, saber pra quê serve o troço. Também porque é um ótimo aparelho pra quem viaja e precisa estar online o tempo todo (e eu preciso ler o tempo todo, senão murcho). Mas a justificativa financeira é melhor: durante o ano passado, o que eu não comprei em livros foi menos do que eu investi no iPad.

Livros, gibis e feeds, muitos feeds

Livros, gibis e feeds, muitos feeds

# Vantagem 2: a disponibilidade de obras

Ao contrário do que dizem os puristas, a galera que diz que o livro vai acabar, yadda yadda, num Kindle é mais fácil ler Shakespeare ou Camões. Você tem dicionário e referências disponíveis na hora (e se você lê esses classicões sem referências, parabéns, é gênio ou tolo, provavelmente o segundo). Aliás, centenas de milhares de títulos estão ali, disponíveis para ler. Pensamos que nem todo livro está disponível em formato digital (não existe NENHUMA gramática da língua portuguesa disponível para a venda, vergonha das editoras luso-brasileiras) mas a quantidade de títulos é suficiente para saciar a minha voracidade de leitura e ainda sobra.

Ganhei o Graveyard Book, de deus Gaiman, e depois de lê-lo, comecei a ler O Livro das Selvas. Com um clique. Li em algum lugar uma referência a um conto de Tchecov, encontrei nos livros que já tinha baixado. Comprei e li o novo livro do Seth Godin. Adoro grifar e sublinhar frases e trechos, e logo depois da leitura, já tinha disponível no computador os meus próprios comentários, simplificando o processo de escrita do post-resumo do livro.

Só é difícil encontrar coisas em português

Só é difícil encontrar coisas em português

# Vantagem 3: transporte

De todas as mudanças que eu fiz na vida, esta talvez é a mais fácil. A grande maioria dos meus livros está numa estante na casa da minha mãe. São todos os que eu comprei e não emprestei até vir morar na Espanha, e mais uma ou duas malas de livros que eu já levei em outras viagens. Agora, só vou levar uma caixa, pequena, com os que pretendo usar em algum projeto, e o iPad.

Os poucos livros que vão acompanhar a última mudança

Os poucos livros que vão acompanhar a última mudança

Desvantagens existem no paraíso digital?

Dá pra procurar desvantagem em tudo. Vi uma palestra do Umberto Eco, quando estava lançando O Cemitério de Praga, e fiquei com muita vontade de lê-lo. Infelizmente, por questões de reserva de mercado, a versão eletrônica ainda não foi publicada. Como o livro foi diagramado num computador, podemos dizer que por decisão editorial. Ainda há muita gente lutando contra os livros digitais. Vamos chamá-las de MPAA editorial.

Leia mais

Tags deste post: , , , , , , ,