Posts de marcialira

Gadget para ajudar na leitura de pessoas cegas

Publicado por em 17/10/2014 | Deixe um comentário

FingerReader – Wearable Text-Reading Device from Fluid Interfaces on Vimeo.

Entre tantos gadgets que chegam no mercado, o FingerReader anima só pelo fato da gente saber que ele está sendo desenvolvido. É uma espécie de leitor de dedo que consegue transformar texto em áudio com o simples passar do dedo por cima (no vídeo acima você vai entender melhor
).

Para deficientes visuais, pode abrir um mundo de possibilidades de leitura de obras que não têm versão em braile e outros textos. E de quebra parece uma solução conveniente para ler livros com tradução de idiomas em tempo real.

Finger Reader

Anel transforma texto em áudio, ajudando na leitura dos cegos.

Apesar de ser um protótipo de pesquisa de uma galera do MIT, ele trabalha algumas questões mais avançadas da usabilidade. Por exemplo, o FingerReader emite uma vibração pra avisar que a linha de texto acabou, ou que teve início outra linha. Também sinaliza que você está tirando o dedo da linha de leitura.

Ou seja, super prático e viável. Resta esperar que a ideia saia do protótipo e chegue às mãos das pessoas que precisam.

Se você gostou do post, curta no Facebook ou Twitter aí embaixo para espalhar pra seus amigos. Obrigada :)

Vi aqui. Acesse o site do projeto.

Tags deste post: , , , ,

Wikipost #5 Descubra ou indique onde doar livros na sua cidade

Publicado por em 14/10/2014 | Um comentário

Perdi as contas de quantas pessoas vieram me perguntar onde doar livros. Seja por falta de espaço, por motivos de mudança, por não querer mais ficar com livros parados em casa, ou mesmo por boa ação, muita gente decide doar. O ruim é que geralmente as pessoas ficam sem saber um lugar que trate bem os livros e os disponibilize para outros. Por isso, decidi abrir um wikipost pra isso.

>> O que é um wikipost literário?

Conto com a sua colaboração para criarmos juntos um super serviço sobre doação de livros, de modo que as pessoas consigam encontrar nas suas cidades locais legais para fazê-lo. Pra isso, lhe peço: se você conhecer um lugar bom para doar livros na sua cidade, indique aí no formulário abaixo com o máximo de informações: nome, telefone, endereço, etc. Na sequência, subo a sua indicação para o post organizando por cidade.

 

>> RECIFE

Biblioteca do Poço da Panela
Endereço: Av. Beira Rio, 22, Poço da Panela, Casa Forte.
Naná (81/8773.3934) ou Boy (81/91261626)
Destino: crianças da comunidade do Poço.

 

 

Faça uma pessoa feliz. :)

tomhanks feliz

Leia outros wikiposts e colabore:

Se você gostou do post, curta no Facebook ou Twitter aí embaixo para espalhar pra seus amigos. Obrigada :)

Tags deste post: , ,

Em 1953, Fahrenheit 451 criticava a redução dos clássicos

Publicado por em 7/10/2014 | 2 comentários

Fahrenheit 451 by act of acadia

Clássicos reduzidos para se adaptarem a programas de rádio de 15 minutos, depois reduzidos novamente para uma coluna de livro de dois minutos de leitura, e, por fim, encerrando-se num dicionário, num verbete de dez a doze linhas. Estou exagerando, é claro. Os dicionários serviam apenas de referência. Mas, para muitos, o Hamlet, certamente você conhece o título, Montag; provavelmente a senhora ouviu apenas uma vaga menção ao título, senhora Montag, o Hamlet não passava de um resumo de uma página num livro que proclamava: Agora você pode ler finalmente todos os clássicos; faça como seus vizinhos. Está vendo? Do berço até a faculdade e de volta para o berço; este foi o padrão intelectual nos últimos cinco séculos ou mais.”

A atualidade das distopias escritas no meio ou até no começo do século é sempre surpreendente, por mais que seja batida. É incrível que, já em 1953, ano de publicação de Fahrenheit 451, Ray Bradbury estivesse incomodado com a desvalorização das grandes obras da literatura, de forma a colocar isso na boca de um personagem. O trecho me fez lembrar dos milhares de resumos dos clássicos que você encontra na internet, muletas certas para alunos “obrigados” a ler Machado de Assis, José de Alencar, Guimarães Rosa, etc. E ainda da adaptação dessas e outras grandes obras para os quadrinhos. Não que eu seja contra, adoro quadrinhos – inclusive minhas estreias como leitora foram com A Turma da Mônica. Mas é importante que resumos e adaptações facilitadas sirvam de iscas para as obras originais, precisam vir acompanhadas com a mensagem da importância de ler os clássicos.

O livro é a minha leitura atual, com aquele quê de como é que eu não li esse livro antes? (bem que uma amiga disse). Tô achando a história fantástica, e depois venho contar mais pra vocês.

Imagem de Act of Acadia, daqui.

Tags deste post: , , , ,

Freebook: 38 anos de livros importados + promos

Publicado por em 25/09/2014 | Deixe um comentário

Publieditorial

Loja pop-up da Freebook na galeria E-Arte, em SP.

Loja pop-up da Freebook na galeria E-Arte, em SP.

Com todas as dificuldades e mudanças no mercado de livros no Brasil, é triste demais quando uma livraria fecha e é uma felicidade no momento em que outra abre. O que dizer de uma livraria diferente que completa 38 anos de vida? A Freebook tem esse orgulho e muito pra comemorar. Especializada em livros importados, começou vendendo os títulos para distribuidores e depois abriu a loja física.

Livros no estilo coffee table – aqueles que são tão legais que você deixa em cima da mesa pra decorar a casa – são maioria no acervo, mas a livraria trabalha com todo tipo de importação, de best-sellers, pocket books até os mais técnicos. A gente perde o tempo fácil navegando nos títulos no site, tem tanta coisa diferente. Numa olhada rápida, juntei algumas coisas que eu estou considerando colocar no carrinho:

Livros na Freebook

1. 1000 Record Covers, com uma seleção bacana de capas de discos. 2. You Shouldn’t Have Heard Just What I Seen reúne fotografias de grandes nomes do jazz de NY. 3. Beatles Solo aborda a vida de cada um deles depois do fim da banda, em 1968. 4. Amy, My Daughther é uma biografia escrita pela mãe da cantora.

A livraria Freebook foi eleita a melhor livraria para importados pela revista Época. Foi publicada no Bookshop, classificada entre as livrarias mais legais do mundo. Quem mora em São Paulo, tem duas chances de conhecer a proposta pessoalmente. A primeira, a loja pop-up na E-Arte Galeria (foto no topo). A segunda chance é ir até a loja/depósito na Vila São Francisco, Zona Sul de São Paulo (aberta depois do fechamento da livraria na Rua da Consolação, por conta de falta de estrutura na área). Uma curiosidade é que a Freebook foi inaugurada ainda na ditadura militar, quando havia muita censura em cima dos livros, e por isso foi escolhido esse nome.

Como a data do aniversário é hoje, 25 de setembro, vai ter uma comemoração na loja da E-Arte para a qual todos estão convidados, a partir das 18h. No sábado, as lojas físicas vão ter descontos de até 38%. Na loja online, os descontos são mais generosos ainda: tudo com 20% de desconto, e ainda 70% de desconto nos livros da editora Perseus (acesse com esse link) até o final do mês. Pra completar, tem a seleção de livros para publicitários com desconto.

A melhor livraria para importados pela revista Época chega aos 38 anos com uma série de descontos pra você aproveitar. A começar por uma vitrine especial para os leitores do blog: http://goo.gl/7imjfe. . E ainda: Livros que você não encontra por aí com até 70% de desconto: http://goo.gl/kSREBv. Seleção para publicitários em oferta: http://goo.gl/0tfRBI Conto mais sobre a Freebook, a charmosa loja física e a virtual, no blog: http://goo.gl/wSYmmV

E como se não bastasse, tem uma vitrine especial com descontos para os leitores do Menos um na estante  na Freebook. Não é muito legal? Basta entrar neste link e usufruir: www.freebook.com.br/parceiros/menosumnaestante.

Leia mais

Tags deste post: , , , , , , ,

Como a gente se sente #2 ou Não perturbe

Publicado por em 12/09/2014 | 2 comentários

Sabe quando você começa a ler um livro e pensa: lascou (hahaha)? Você vê que não tem jeito, agora o seu principal objetivo de vida é acabar aquelas páginas. Custe o que custar. Você passa a levar ele debaixo do braço para todo lugar que você vai por puro vício. E não é incomum que as pessoas lhe achem estranho. O ilustrador Nathan W. Pyle criou uma série de gifs animados muito legais para retratar esse momento de total cumplicidade entre livro e leitor (ou seria entre autor e leitor?). Você vê alguns abaixo:

Não tem dia nem noite pra você. O tempo passa e você lá.

Não perturbe 01

Nathan W. Pyle / Via buzzfeed.com

Leia mais

Tags deste post: , , ,

Agora o blog tem uma colaboradora

Publicado por em 8/09/2014 | 3 comentários

Agora o Menos um na estante conta com uma mãozinha. Ou melhor, uma mãozona: Júlia Cortizo. Vinha pensando que poderia ser legal abrir o blog pra outras cabeças leitoras, e aí quando pensei em Júlia, a ideia ganhou vida. Ela topou na hora e vai, de vez em quando, falar de livros e leitura por aqui também. Além de super leitora, ela tem um blog lindo, que é o A Vida em Júpiter (vai lá visitar). Tenho certeza que vocês vão curtir o que ela vier dizer por aqui. Bem-vinda, Jú! :)

Nova colaboradora: Júlia Cortizo

Júlia, do blog A Vida em Júpiter, agora colabora por aqui.

Júlia já andou escrevendo por aqui. Dá uma olhadinha.

Tags deste post: ,

Entrevista #1 O Viaggiando e os 198 livros

Publicado por em 5/09/2014 | 5 comentários

Sabe aquela premissa de que “ler é viajar”? Aqui a gente comprova ela ao pé da letra. Faz é tempo que queria falar do blog Viaggiando por aqui, e finalmente chegou a hora. Como se não bastasse dar dicas bem interessantes de viagens, a Camila Navarro conta o desenrolar de um projeto que é todo #menos1naestante: A volta ao mundo em 198 livros. A ideia é simples e ousada: ler um livro de cada país do mundo, considerando todos os 193 países membros da ONU e seus dois estados-observadores (Palestina e Vaticano), além de Kosovo, Taiwan e Saara Ocidental.

A viagem de Camila começou em julho do ano passado, e lá se vão 56 livros lidos! Fiquei feliz que ela topou contar como tem sido essa jornada aqui no blog, respondendo umas perguntas. A experiência parece ser incrível. Quem ler e não ficar com vontade de fazer a mesma coisa, não pode ser normal.

Camila Navarro, do Viaggiando

Camila Navarro, do blog Viaggiando, contou sobre o projeto #198livros

 

Ler, por quê?

E como não ler? Eu sempre amei ler e mais tarde descobri que amo também viajar. Sei que foram os livros que despertaram a minha vontade de ver o mundo, de conhecer novos lugares e culturas. Acredito que através da leitura a gente consegue viajar sem sair de casa. Não haveria forma melhor de unir as minhas duas grandes paixões do que fazendo uma volta ao mundo através dos livros.

Para definir a ordem de leitura, você faz sorteio entre os países. Tem algum país suspenso na sua lista porque você ainda não conseguiu um livro de lá?

Ainda não consegui descobrir nenhum livro do Palau. Encontrei livros de estrangeiros sobre o país, mas como no projeto estou lendo apenas livros de autores locais, nenhum deles serviu. Tem algum palauense aí pra me ajudar? ;-)

O Turcomenistão também está suspenso enquanto aguardo a publicação do livro turcomeno The Tale of Aypi, em inglês. Entrei em contato com o autor, Ak Welsapar, e ele espera que seja publicado no ano que vem. Estou esperando!

Livro das Ilhas Salomão

Qual foi o livro mais difícil de conseguir até agora?

Ilhas Salomão foi o mais complicado. Eu até tinha o nome de alguns livros de lá em inglês, mas nenhum parecia estar disponível comercialmente. Depois de muita procura e trabalho em equipe com as meninas que se juntaram ao projeto, consegui comprar o livro The Alternative no site da editora da Universidade do Pacífico Sul, que fica em Fiji. Ele fez muitas escalas para chegar à minha casa e o frete foi bem mais caro do que o livro, mas deu certo!

Dos 56 lidos até agora, peço uma lista de 5 que os leitores do Menos um na estante não podem deixar de ler. E porquê.

Essa é a pergunta mais difícil! Bom, vou tentar pensar não só nos meus livros preferidos, mas também nos leitores do Menos um na estante, então vou falar só dos que podem ser adquiridos no Brasil, em papel ou digital. E mesclarei livros disponíveis em inglês e português. Vamos lá! [clique nos nomes dos livros para ver as resenhas de Camila sobre eles]

1. The Lady from Tel Aviv – Palestina: Foi um dos melhores livros que li até agora. Infelizmente ele não foi publicado em português, mas para quem pode ler em inglês acho que é uma excelente chance para entender a relação entre palestinos e israelenses. Com os conflitos que ocorrem agora em Gaza, acho que é um livro até mesmo necessário.

Leia mais

Tags deste post: , , , , ,

#menos1naestante: as 5 melhores do Instagram

Publicado por em 3/09/2014 | 4 comentários

Talvez não seja o seu caso, mas tem muita gente usando o Instagram para fotos de livros e leituras. Tem quem escolha novas leituras pela rede social ou compartilhe as mais recentes páginas lidas. Também funciona para trocar ideias com outros leitores. Para isso, o Menos um na estante tem um perfil na rede social, além de estimular a hashtag #menos1naestante. As fotos mais legais da hashtag #menos1naestante, eu reposto quando a pessoa autoriza. Mas nem sempre eu dou conta de tudo que curto. É por isso eu resolvi criar esta seção aqui no blog, onde eu trago os 5 cliques imperdíveis do mês (contando compilações temáticas que tenho feito) dos leitores no Instagram. Quer participar? É só usar a nossa hashtag quando for publicar o que estiver lendo, um trecho, uma visita a uma livraria ou biblioteca, ou qualquer coisa que  inspire. :)

Instagram agosto 01

1. Entrevista de Ziraldo para a IstoÉ – Em momento de rumo do país em discussão, Ziraldo dizendo verdades.

Instagram agosto 02

2. Persepolis, de Marjane Satrapi (edição francesa) – Se eu não já tivesse vontade de ler, passaria a ter só por essa capa.

Leia mais

Tags deste post: , ,
Página 3 de 6412345...Última »