Eu gosto tanto, tanto de café que fica até difícil fazer uma declaração à altura para o Dia Mundial do Café. Como se não bastasse, café na minha opinião é a primeira companhia perfeita pra uma boa leitura. Um livro bom com uma xícara de café quentinho é uma visão de paraíso palpável ao meu dispor.

Então pra fazer essa homenagem muito justa, eu resolvi pedir ajuda à literatura: usar frases ou trechos de livros que contêm café. Para isso, contei com a colaboração dos leitores convocados pelas redes sociais. A inspiração é do Universo Café, um espaço da São Braz que reune amantes da bebida até esta sexta, no Shopping Recife.

  • The Love Song of J. Alfred Prufrock de TS Eliot.

    Por eu ter conhecido todos eles, conhecido todos eles:
    Ter conhecido as noites , manhãs, tardes,
    Eu medi minha vida com colheres de café.”

Colaboração de Tiago Martins.

A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera

E mais uma coisa: havia um livro aberto sobre a mesa. Nesse café ninguém jamais abrira um livro sobre a mesa. Para Tereza, o livro era o sinal de reconhecimento de uma fraternidade secreta. Contra o mundo de grosseria que a cercava, não tinha efetivamente senão uma arma: os livros que pedia emprestados na biblioteca municipal; sobretudo os romances: lia-os em quantidade, de Fielding a Thomas Mann. Eles não só lhe ofereciam a possibilidade de uma evasão imaginária, arrancando-a de uma vida que não lhe trazia nenhuma satisfação, mas tinham também para ela um significado como objetos: gostava de passear na rua com um livro debaixo do braço. Eram para ela aquilo que uma elegante bengala era para um dândi do século passado. Eles a distinguiam dos outros”.

Colaboração de Léia Viana.

  • No mundo da luna, Carina Rissi.

    – Nada ainda?  – Sabrina perguntou pela décima sexta vez, entrando no quarto e colocando uma xícara de café com leite fumegante na minha mesa de cabeceira.”

Colaboração de Ísis Barros.

  • Trem de Ferro, Manuel Bandeira

    Café com pão
    Café com pão
    Café com pão
    Virge maria que foi isso maquinista?
    Agora sim
    Café com pão
    Agora sim
    Voa, fumaça
    Corre, cerca
    Ai seu foguista
    Bota fogo
    Na fornalha
    Que eu presciso
    Muita força
    Muita força
    Muita força
    Oô…
    Menina bonita
    Do vestido verde
    Me dá tua boca
    Pra matá minha sede
    Oô…
    Vou mimbora
    Vou mimbora
    Não gosto daqui
    Nasci no sertão
    Sou de Ouricuri
    Oô…
    Vou depressa
    Vou correndo
    Vou na toda
    Que só levo
    Pouca gente
    Pouca gente
    Pouca gente…”

Colaboração de Talitha Chiara

  • Paulo Leminski

    Antes que a tarde amanheça
    e a noite vire dia
    põe poesia no café
    e café na poesia

Colaboração de Jéssica.

>> Leia no blog Do Que Eu Leio: E se seus personagens favoritos da literatura se tornassem cafés?

Universo Café

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Tags deste post: , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *