Livros que inspiraram músicas

A experiência com a literatura é a mais devastadora de todas, pelo menos pra mim. Um filme bom é capaz de lhe deixar dias a fio pensando no assunto. Uma música boa leva você pra outro lugar desconhecido e lúdico.

Agora um livro incrível é capaz de uma das coisas mais difíceis na vida: mudar o ponto de vista de alguém, ou de vários alguéns.

Por isso não me espanta nem um pouco poder listar aqui 22 músicas inspiradas em livros – muitas delas tão importantes que reivindicam seu pedaço na história cultural. A lista é um recorte com tradução livre livre da que está, em inglês, no portal de música NME. Bob Dylan, Sonic Youth, Nirvana, The Cure e muitos outros beberam na maravilhosa fonte da literatura.

Ah, também coloquei os links das músicas no Youtube pra você ir escutando.

Reina Spektor

Regina Spektor. Fonte.

1. Regina Spektor – música Poor Little Rich Boy
Inspirada em Fitzgerald/ Hemmingway

2. Belle and Sebastian – música This is just A Modern Rock Song
Inspirada em Dostoevsky/ Mark Twain

Nirvana

3. Nirvana – música Scentless Apprentice
Inspirada em Perfume, do Patrick Suskind

4. MF Doom – álbum Born Like This
É álbum inteiro inspirado no poema Dinosauria, We, de Charles Bukowski, que começa com

5. Bob Dylan – música Ballad of a Thin Man
Inspirada em Anton Chekhov,  A Divina Comédia, de Dante Alighieri e  Kerouac.

6. Ryan Adams – música Sylvia Plath
Inspirada em Sylvia Plath.

7. Blur – Tender
Inspirada na novela Tender Is the Night, de F. Scott Fitzgerald.

mastodon

Mastodon.

8. Mastodon – I Am Ahab
Na verdade, o álbum inteiro Leviatã é inspirado no clássico Moby Dick, de Herman Mellville. Mas essa música é a mais forte, que tenta passar as angústias do protagonista.

9. Neutral Milk Hotel – In The Aeroplane Over The Sea
O cantor Jeff Magnum compôs a música após ficar perturbado ao ler O Diário de Anne Frank, de Anne Frank. Um dos relatos mais incisivos sobre as atrocidades cometidas contra os judeus.

10. The Beatles – I Am The Walrus
Um trecho da música é de um versiculo tirado de Rei Lear, de Shakespeare.

11. Oasis – Don’t Look Back In Anger
Inspirado no livro Look Back in Anger, do dramaturgo John Osborne. Além de influenciar Noel Gallagher,  a obra inspirou  o álbum Lodger (1979), de David Bowie.

12. Sonic Youth – Schizophrenia
O álbum de 1987 chamado “Sister” foi inspirado pela vida do escritor de ficção científica Philip K. Dick. A faixa que abre o disco é uma referência ao irmão gêmeo de Dick que morreu logo após o nascimento, e a memória disso quase o deixou louco.

13. The Antlers – Sylvia
Na música, a banda imagina salvar a autora condenada. É uma homenagem à macabra e poético prosa de Sylvia Plath.

Led Zeppelin

Led Zeppelin

14 – Led Zeppelin – Ramble On
“Twas in the darkest depths of Mordor/I met a girl so fair/But Gollum, and the evil one crept up/And slipped away with her.” Trechos de O Senhor dos Anéis realmente entraram na música do Led Zeppelin.

15. Metallica – For Whom the Bell Tolls
A novela Por quem os Sinos Dobram, de Hemingway, dá o tom escuro e de mau agouro na guerra à música de mesmo nome.

16. The Cure – Killing An Arab
Leitor voraz, Robert Smith com a banda fez acenos em suas músicas para escritores como Charles Baudelaire. No topo da lista está essa música, em clara referência ao O Estrangeiro, de Albert Camus.

17. The Velvet Underground – Venus In Furs
A banda roubou todo o seu nome do livro do mesmo título de Michael Leigh, que explorou subculturas sexuais na década de 1960.

18. Kate Bush – Wuthering Heights
Em um dos mais significativos exemplos de recriações, a cantora reconta o clássico O Morro dos Ventos Uivantes, dos personagens Heathcliff e Cathy, escrito por Emily Bronte em 1847.

Lana Del Rey

Lana Del Rey

19. Lana Del Rey – Off To The Races
O disco Ultraviolence de Lana pega emprestado seu nome do clássico cult de Anthony Burgess Laranja Mecânica, mas ela também fez inúmeras referências ao Lolita, de  Vladmir Nabakov.

20. Bruce Springsteen – The Ghost Of Tom Joad
A evocação do desespero nesse álbum bebe na fonte do clássico As Vinhas da Ira, de John Steinbeck.

Radiohead

Radiohead

21. Radiohead – 2+2=5
Thom Yorke e o mal-estar, agressividade, confusão e pesadelo distópico do livro de George Orwell 1984.  Em 2 + 2 = 5, uma forma abreviada de explicar como a verdade é o que os responsáveis querem que seja, e como as regras podem ser dobrados para servir aqueles no poder.

22. Joy Division – Atrocity Exhibition
O aceno literário mais marcante de Ian Curtis está nesta música, com suas alusões a JG Ballard. O romance de Ballard é uma estranha colagem de imagens horripilantes, e Curtis vai direto para as entranhas do sentimento a partir dele.

Se você tá precisando de inspiração – e quem não está? -, siga a dica dos mestres e abra um livro.

 

SE VOCÊ GOSTOU DO CONTEÚDO, FAÇA UMA AÇÃO.

– Comente.

– Curta e siga o blog no Facebook.

– Compartilhe este post no Facebook. Share

Assine a newsletter e receba o blog no seu e-mail.

– Siga o blog no Twitter e Instagram.

É muito importante pra mim saber o que vocês acham do que escrevo (ou os colaboradores), e me estimula a continuar postando. <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Tags deste post: ,

2 Comentários

Join the conversation and post a comment.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *