O Hálito da Morte, Isaac Asimov

O Hálito da Morte, Isaac Asimov

Perfeição é algo que não existe. Grandes obras aparecem depois que os escritores publicaram muitas besteiras, lançaram alguns fracassos. Ou amadureceram a duras custas. Sempre tem aquele livro OK entre os incríveis. Você já topou com um livro mais ou menos de um autor muito bom?

O Hálito da Morte é o primeiro livro do Isaac Asimov que eu leio, e acredito que caí justamente naquele 1% recalque, bem diferente dos 99% genialidade do autor da trilogia Fundação, que ainda espero conhecer. Vou explicar o porquê.

A primeira frase do livro é impactante: “A morte passeia pelo laboratório de química. Milhares de pessoas passam por perto dela e não se importam”. A história é narrada do ponto de vista de Louis Brade, um professor de química de 42 anos de uma grande universidade dos Estados Unidos. O mesmo que teve a infelicidade de encontrar um aluno seu morto no laboratório de química: Ralph Neufeld.

As evidências mostram que o defunto cometeu um erro tosco misturando substâncias. Só que as percepções de especialista na matéria – que eu sempre odiei – fazem o professor desconfiar do ocorrido e procurar descobrir o que realmente aconteceu.

Ilustração de Isaac Asimov

Ilustração de Isaac Asimov

Até aí, uma normal história de suspense e investigação. O aspecto particular desse livro são os temperos que permeiam a trama: não temos aqui um investigador exótico, uma motivação passional como uma mulher amada ou filho mortos, nem um senso de justiça heroico, ou um acontecimento histórico que resignifique o crime.

Os temperos em O Hálito da Morte são o conhecimento em química e os meandros e politicagens que acontecem na vida acadêmica. O que ganha total sentido quando você descobre que Isaac Asimov foi professor de química na Universidade de Boston. Héin, hein?

Crise econômica de 1929

O livro foi publicado pela primeira vez em 1958, e o personagem se dizia vítima da “doença da insegurança”, fruto do trauma pelo período da Grande Depressão. A crise econômica que atingiu vários países começu em 1929 e deixou muita gente sem emprego, passando fome, além de empresas falidas.

Então uma das principais preocupações de Louis Brade e da sua esposa era a efetivação dele na universidade. A sonhada estabilidade para a família. Por mais de dez anos, ele era apenas um professor substituto que poderia ser demitido a qualquer hora, e isso reaparece inúmeras vezes no livro em forma de pensamentos ou discussões do protagonista.

Mas o medo da crise não era a única motivação para a efetivação no cargo, o alter ego de Isaac Asimov tinha uma tendência à apatia que fica bem caracterizada neste trecho, sobre a oferta para ele ser instrutor na universidade:

Foi um presente caído do céu; era tudo com que podia sonhar. Não tinha temperamento pra enfrentar a vida trepidante e insegura da indústria. Não fora feito para a luta diária das competições. Nem sequer se metia na competição das bolsas. Tudo o que ele queria era sossego. Segurança, e não aventura.”

Semelhança com Franz Kafka
Impossível não lembrar do Gregor Samsa, de A Metamorfose. Samsa está tão bitolado na rotina do serviço público que vira um inseto. Já Brade anseia por essa rotina segura e resignada. A necessidade da efetivação no serviço público ronda todas as decisões de Louis Brade.

A universidade fazia parte da vida como um remanso faz parte de uma correnteza. Os estudantes entravam na corrente principal, vindos dos mansos regatos da infância, e a enfrentavam rumo a uma terra que Brade jamais tinha explorado. Brade ficava pra trás, no imutável remanso da vida universitária. E, enquanto ele assim agia, os estudantes ficavam mais jovens. ”

É até meio incoerente que um personagem assim possa se envolver numa investigação de assassinato, mais um  motivo pelo qual o mistério parece puro pretexto pra Asimov declarar amor à química e repulsa pelas politicagens e pelos estereótipos da vida acadêmica. Os egos, a vaidade, os podres, estão todos lá.

Concluindo

O Hálito da Morte foi publicado alguns anos depois da trilogia Fundação. Então é tipo: “Hey, agora que sou famoso vou escrever algo pra dizer o que eu sempre quis”. A resolução do mistério é inusitada? Um pouco. Mas sabendo o que eu sei hoje, eu não leria o livro. Pelo menos não antes de ler todas as obras consagradas dele.

Ainda assim recomendo esta história fortemente em três casos:

  1. Se você é professor ou pesquisador acadêmico, pois vai saber o que Asimov indiretamente opinou sobre o seu ambiente de trabalho.
  2. Se você é químico, pois a história tem altas misturas, substâncias e elucubrações sobre esse conhecimento.
  3. Se você é fã de Asimov e já leu as principais obras dele, pois você vai conhecer um pouco mais sobre o autor.

 

Nota: 2/5
Editora: Bloch, 1969
Páginas: 252

SE VOCÊ GOSTOU DO CONTEÚDO, FAÇA UMA AÇÃO.

– Comente

– Curta e siga o blog no Facebook.

– Compartilhe este post no Facebook. Share

Assine a newsletter e receba o blog no seu e-mail.

– Siga o blog no Twitter e Instagram.

É muito importante pra mim saber o que vocês acham do que eu escrevo, e me estimula a continuar postando. <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Tags deste post: , , , ,

2 Comentários

Join the conversation and post a comment.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *