Lovecraft pra começar

É oficial, agora faço parte do maravilhoso mundo dos e-books! Ganhei um Kindle e estou cheia de expectativas. Mas antes que alguém se assuste: não, o blog não vai virar “menos um na estante virtual”. Não tenho a menor intenção de usar o e-reader para substituir os meus livros em papel. Não acho que precise ser assim.

A minha ideia é que o dispositivo da Amazon esteja sempre à mão com alguns e-books dentro, para que o tempo que eu tiver disponível possa ser direcionado para a leitura. Na hora do almoço ou na espera do banco, por exemplo. Ter sempre um livro à mão ajuda a ler mais, e agora com o leitor digital vai ficar mais fácil.

Tenho que dizer que, de cara, adorei o gadget. Chegou numa caixinha bem linda, toda organizada (um estilo Apple), e o funcionamento é bem simples. Vem com um mini manual, mas logo que você liga o equipamento tem acesso a um guia mais completo no formato e-book. Faz uma configuração básica com hora local, idioma, login na Wi-Fi e na conta da Amazon.

Automaticamente, ele puxou o livro Inverdades, de Alex Luna (yey!), que eu tinha na biblioteca da Amazon americana. Quando entrei na loja de e-books via Kindle para adquirir mais alguns títulos só apareciam todos em inglês. Então precisei ir no site da Amazon no computador e transferir a minha conta para a amazon.com.br, o que não me impede de comprar livros em inglês. Também é importante configurar a conta para compra por 1 clique, adicionando algum cartão de crédito, e assim desfrutar do “comprar livro em qualquer lugar”.

>> Leia resenha sobre Inverdades, pequenas manifestações divinas em folhas de chá, marcas de sangue e manchas de batom, de Alex Luna.

Chegou a hora de adicionar livros à minha biblioteca. Com o Kindle, a gente ganha um e-mail para o qual enviamos conteúdo para entrar no dispositivo. Então enviei alguns PDFs de livros que eu tinha e automaticamente (com ele conectado na Wi-Fi) eles apareceram na biblioteca. Só que a exibição de PDFs é bem inferior ao .AWZ, formato de e-book do Kindle. Por exemplo, as funções de passar a página, grifar, consultar no dicionário e aumentar a fonte ficam comprometidas.

Então para comprar o primeiro e-book, passei três horas navegando na loja do Kindle escolhendo que título merecia ser o primeiro, e acabei escolhendo um conto de H.P. Lovecraft, O Horror em Red Hook, que custou R$ 2,85. Mas a palavra que melhor definiria a minha primeira impressão do Kindle é: conforto. É confortável de segurar, e principalmente muito confortável de ler, a tela realmente é como papel.

Para quem está em dúvida entre o Kindle e o Kobo, da Livraria Cultura, eu recomendo a leitura desse post do Isaac Sabe, onde a Luara faz uma comparação de todos os aspectos dos dois dispositivos.

Resumindo bastante, as principais vantagens do Kindle em relação ao Kobo é o preço R$ 100 mais barato e o e-mail para envio de conteúdo. E as principais desvantagens seriam o formato proprietário (o Kindle não aceita e-pub) e – essa é impressão minha – a interface, porque achei a do Kobo bem mais bonita, com ícones e tudo mais (além de que você pode comprá-lo branco).

O fechamento é esse curta massa da editora Intrínseca, que aborda as diferenças entre livros x e-books no cotidiano de um casal. Como bem disse o Sérgio, do Todoprosa, o mérito dele é mostrar que eles não se substituem, são diferentes, cada um com seus méritos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Tags deste post: , , , , ,

18 Comentários

Join the conversation and post a comment.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *